Publicidade

Mais Inclusão | Absorventes compõem cesta básica da Prefeitura de Ibatiba/ES

No início de agosto deste ano, a Prefeitura de Ibatiba realizou o lançamento da nova edição do projeto Ibatiba D’Elas, coordenado pela vice-prefeita Criziane Moreno, que tem como principal objetivo a capacitação e empoderamento das mulheres do município, com o combate à violência contra a mulher e a realização de cursos e outras iniciativas que lhes deem possibilidade de crescimento como pessoas e geração de renda para suas famílias. Contudo, esse empoderamento passa por situações que pouca gente imagina.

Por isso, desde o lançamento da nova edição do projeto, com o apoio da Secretaria Municipal de Assistência Social, o município passou a acrescentar o absorvente como item da cesta básica que é distribuída a famílias carentes, sendo um dos primeiros municípios do sul do Estado a tomar essa iniciativa. Uma ação que faz a diferença na vida de muitas mulheres, principalmente, as mais jovens, que passam por situações constrangedoras que atrapalham o dia a dia de cada uma delas.

O próprio prefeito Luciano Pingo conta que nunca tinha se atentado para essa situação até a equipe do Ibatiba D’Elas falar sobre a necessidade da inclusão do item. “Eu admito que não tinha me atentado para a importância e necessidade de colocarmos o absorvente na cesta básica, mas depois que tomei ciência das situações vividas por muitas mulheres, concordei que isso tinha que ser feito imediatamente e, agora, não há cesta básica sem esse item essencial para a melhoria da qualidade de vida de quem precisa”, afirma.

Conforme informações do projeto Ibatiba D’Elas, devido à crise econômica e as dificuldades vividas por todos os brasileiros e brasileiras, muitas mulheres vivem a chamada “pobreza menstrual”, porque não têm condições de comprar absorventes. Sendo assim, precisam utilizar de alternativas nada higiênicas, como panos e outros tipos de papeis, e também constrangedoras, se vendo em situações que as impedem de viver uma vida produtiva e normal. Isso afeta, principalmente, as mulheres mais jovens que precisam estudar e trabalhar.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade