Internos do sistema prisional produzem camisas para a ArteSanto

Internos do Projeto Costurando o Futuro, desenvolvido pela Secretaria da Justiça (Sejus), produziram 415 camisas para a Feira ArteSanto a pedido da Agência de Desenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas e do Empreendedorismo (Aderes). As camisas foram usadas por expositores e equipe de organização da feira, realizada entre os dias 06 e 14 deste mês.

O projeto é desenvolvido na Penitenciária Estadual de Vila Velha 1, no Complexo de Xuri, onde detentos fabricam uniformes e lençóis utilizados no sistema prisional do Estado. Foram os internos os responsáveis pela produção das camisas da ArteSanto, incluindo corte, costura e serigrafia com a arte do evento e logomarcas dos organizadores. A Aderes doou as malhas nas cores branco e preto, desenvolveu o layout das peças e custeou a mão de obra.

A subsecretária de Estado de Ressocialização da Sejus, Regiane Kieper, explicou que esta é a primeira experiência comercial do projeto. “Os internos do ‘Costurando o Futuro’ receberam capacitação profissional para na área de corte e costura e atuam na fábrica que produz todo o uniforme usado pelo sistema prisional. A qualidade do nosso produto não perde para fábricas de costura comerciais. Os internos que atuam no projeto são preparados para o mercado de trabalho, o que resultou em uma ótima parceria junto à Aderes”, ressaltou Regiane Kieper.

Para o diretor-presidente da Aderes, Alberto Farias Gavini Filho, o trabalho realizado pelos internos do Costurando o Futuro foi feito com muita qualidade.  “A missão da Aderes é de elaborar políticas públicas que estimulem o desenvolvimento do Espírito Santo a partir dos pequenos negócios. E eu vejo nesse trabalho realizado, futuros empreendedores. Quando os internos estiverem em liberdade vão poder empreender, ter seu próprio negócio e gerar trabalho e renda na sua comunidade”, disse o diretor-presidente da Aderes.

O diretor técnico da Aderes, Hugo Tofoli, disse que a confecção de camisas para os expositores que trabalham nas feiras apoiadas pela Aderes e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) vai além da geração de renda para a família desses internos, passa pelo empreendedorismo e sua ressocialização.

“Os internos estão se aperfeiçoando em um ofício e a partir do momento do cumprimento de suas penas, vão poder voltar para a sociedade com a oportunidade de criar um novo negócio e a Aderes vai contribuir para que isso aconteça. Já fizemos um primeiro pedido, mas diante da qualidade do trabalho apresentado, poderemos firmar novas parcerias, sem sombra de dúvida”, afirmou Hugo Tofoli.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*