Publicidade

EmpoderaDONAS: Histórias inspiradoras, networking e mentorias para alavancar negócios marcam a primeira edição

Realizado pelo Sebrae/ES, maior encontro de empreendedorismo feminino do estado reuniu milhares de mulheres em Vitória

Em caravanas que partiram de todos os cantos do Espírito Santo, em grupos de amigas ou sozinhas. De todas as maneiras, milhares de mulheres percorreram os caminhos que levavam ao EmpoderaDONAS, maior encontro sobre empreendedorismo feminino do estado, que aconteceu na tarde da última terça-feira (21), no Centro de Convenções de Vitória.

Realizado pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Espírito Santo (Sebrae/ES), o evento conectou empreendedoras capixabas com nomes de destaque no mercado nacional, ofereceu mentorias individuais e coletivas, além de várias palestras para ajudar as mulheres a impulsionar seus empreendimentos.

Moradora de Santa Leopoldina, a confeiteira e fotógrafa Heloisa Teodoro foi uma das participantes que aproveitaram os conteúdos compartilhados no Espaço AvançaDONAS, que contou com palestras sobre como criar conteúdo para redes sociais, como vender no Instagram e também ser influencer de si mesmo.

“Fiquei sabendo do evento através das meninas da minha cidade. Fizemos um grupo e viemos todas. Eu trabalho com confeitaria e acho que tudo isso vai agregar na rotina do meu trabalho. Também queria saber mais sobre rede social. Hoje, muitas vendas são feitas pela internet e saber trabalhar com essa ferramenta nos ajuda a dar mais visibilidade ao nosso negócio”, destacou Heloisa.

No Espaço InspiraDONAS, as participantes puderam conhecer histórias de mulheres que hoje são referências nos locais que atuam e que precisaram driblar muitas adversidades para empreender. Déborah Sabará, coordenadora de Ações e Projetos da Associação Gold (Grupo Orgulho Liberdade Dignidade), foi uma das palestrantes e abordou as lutas e as conquistas das pessoas trans.

“Visibilidade, representatividade e protagonismo são três palavras importante para nós, pois um dos maiores desafios que enfrentamos é ter um espaço para falar. Muitas pessoas nunca tiveram a oportunidade de ouvir ou assistir uma oficina com pessoas trans falando sobre ser empreendedoras. Todos nós podemos nos mobilizar para diminuir o estigma e a violência contra pessoas travestis e transexuais”, destacou.

No Espaço PlugaDONAS, as estratégias de empreendedorismo ensinadas por mulheres já consolidadas no mercado ditaram as conversas e a troca de experiências. “Achei o evento muito rico, uma palestra melhor que a outra. Consegui ver três palestras, com temas interessantes, além dos profissionais maravilhosos. A estrutura ficou boa e consegui fazer muito networking, que foi uma das coisas mais importantes”, contou Ursula Bersot, que é enfermeira esteta e dermatoterapeuta.

Além das palestras, os espaços para mentorias individuais e coletivas também foram bastante disputados pelas mulheres durante todo a tarde.  “Achei o evento maravilhoso, nos dá sede de saber, ver onde a pessoa chegou e como ela chegou, quais as ferramentas ela usou no processo de crescimento. Não posso deixar de falar que eu amo networking e pude ter essa troca em grande escala”, conta Maria Aparecida Pereira de Freitas, enfermeira e representante comercial de produtos hospitalares.

No palco principal, euforia e muitas lições

O Espaço EmpoderaDONAS foi totalmente tomado pela potência das palestrantes. A primeira a subir no palco foi Nina Silva, fundadora do Movimento Black Money e CEO da D’Black Bank. Com uma longa trajetória no mercado da tecnologia e no empreendedorismo negro, a executiva foi considerada a mulher mais disruptiva do mundo em 2021.

Na palestra, Nina falou da sua trajetória e mostrou ferramentas para acelerar o próprio negócio. Ela ainda destacou a importância de fazer networking e se inspirar nas histórias umas das outras. “A gente precisa não só empoderar, mas se apoderar das nossas histórias. Eu espero que as mulheres que estiveram aqui aproveitem as conexões e os saberes compartilhados não só por quem estava no palco, mas também ao lado delas.”

Segunda a subir no palco, Rafa Brites comoveu a plateia ao falar da sua luta para lidar com a síndrome da impostora e a autossabotagem, experiências vividas por muitas mulheres no mercado de trabalho, mesmo quando conquistam posição de destaque ou de liderança.

“Quando essa sensação de insuficiência chega, é importante que a gente não desista, que a gente não se boicote, e entenda que isso é muito mais comum do que parece e atinge mulheres de todo mundo. Eu sempre digo que essa sensação não tem uma cura, mas podemos impedir que ela nos empaque”, observa.

Uma das maiores jogadoras de basquete de todos os tempos, Hortência também foi fonte de inspiração para as mulheres do EmpoderaDONAS. Bem-humorada, ela arrancou risadas do público em vários momentos e compartilhou as decisões e os comportamentos que a tornaram campeã em uma época em que o machismo era ainda mais presente na sociedade e no esporte.

“Quando eu comecei, não existia a palavra empoderamento. A gente entrava na quadra e era xingada, hostilizada, mas eu não ligava porque eu estava fazendo o que eu amava.  Então, o que sempre digo às mulheres é que elas sigam o coração. Foque em descobrir o seu dom, aquilo que você ama, e vá em frente sem se importar com que os outros pensam”, afirmou a ex-atleta.

Encerrando a programação, a empresária Camila Farani, uma das maiores investidoras do país e ex-jurada do programa Shark Tank do Brasil, falou sobre a arte de negociar em todos os momentos da vida, não apenas nos negócios.

Durante a palestra, a executiva convidou a personal stylist Angélica Salviato, proprietária da  AS Agenciamento de Imagem, para participar de um pitch sobre o seu negócio. Bastante emocionada, a empreendedora falou sobre a sua transição de carreira, o diferencial da sua empresa e fez uma proposta à Camila para que ela investisse R$ 15 mil. O recurso seria usado na criação de uma nova identidade visual da marca e outros recursos que podem potencializar a captação de novos clientes nos meios digitais.

Em uma dinâmica similar ao programa Shark Tank, a investidora fez várias perguntas à Angélica sobre o empreendimento e apresentou uma contraproposta: divulgar o trabalho de Angélica em suas redes sociais, que contam com mais de dois milhões de seguidores no Instagram e no Linkedin, além de adquirir oito consultorias de imagem. Essas consultorias serão disponibilizadas para as integrantes do “Ela Vence”, uma comunidade de mulheres mentoreadas pela investidora.

A proposta foi aceita, deixando a plateia em êxtase. “Em quatro meses de empresa, estamos passando por processos de investimentos, mostrando que o meu negócio é real.  Com certeza essa parceria vai me gerar muitos frutos. Muito obrigada ao Sebrae pela oportunidade, foi um dia para nunca mais esquecer”, comemorou Angélica.

Legado do EmpoderaDONAS

Coordenadora estadual do Sebrae Delas, Andrea Gama, reforçou a importância de eventos como o EmpoderaDONAS para as empreendedoras. “Eu espero que esse evento seja um despertar para as mulheres capixabas de que, juntas, elas vão mais longe. Aprender umas com as outras e estar perto de outras empreendedoras, falando de negócios, só agrega valor à gestão de quem participa. O EmpoderaDONAS chegou para mostrar às mulheres que elas não estão sozinhas. O Sebrae está pensando nelas e para elas. Tem muita coisa boa por vir.”

Uma das novidades é uma pesquisa estadual sobre o empreendedorismo feminino capixaba que está sendo realizada pelo Sebrae/ES para conhecer melhor as mulheres que empreendem no Espírito Santo e os principais desafios que elas enfrentam. Para responder à pesquisa, basta acessar o site Sebrae Delas e clicar no formulário de disponível na página. “É muito importante que as mulheres contribuam com essa pesquisa, pois quanto mais a gente conhece o perfil das empreendedoras, mais soluções podem ser criadas para apoia-las na jornada do empreendedorismo”.

A oportunidade de fazer networking e a troca de experiências com outras mulheres também foi o grande destaque do EmpoderaDONAS para Rayane Souza, ativista e fundadora do projeto Gorda na Lei.

“O evento do Sebrae me deu uma luz e eu conheci outras mulheres que vão me inspirar nesse sentido. Eu trabalho com essa questão da mulher fora do padrão, mas todas as mulheres sentem a pressão estética de alguma maneira. Então, você ser mulher, empreender, querer ter o seu negócio, a gente precisa dar a mão uma para a outra. Seguimos juntas.”

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *