Publicidade

Deputados capixabas destacam que os excessos não colaboram em nada para a democracia

O portal Espirito Santo Notícias conversou com dois deputados federais capixabas sobre o movimento de sete de setembro e as declarações do presidente na Paulista

Dois dias após atacar o Supremo Tribunal Federal – STF com ameaças golpistas no dia 07 de setembro, o presidente disse na nota publicada que “não teve intenção de agredir qualquer dos poderes” e atribuiu palavras contundentes ao calor do momento. Bolsonaro sabe que exagerou e que reconhecer suas ameaças e recuar foi a dose certa para acalmar os ânimos.
O Portal Espírito Santo Notícias ouviu deputados federais capixabas sobre o movimento de 7 de setembro, bem como ao posicionamento do presidente na Avenida Paulista e a paralisação dos caminhoneiros.

A deputada federal do Democratas, Norma Ayub Alves destacou que é preciso enaltecer a liberdade de manifestação, sempre de forma ordeira, dentro do espirito cívico. “A exposição em massa das pessoas demonstra insatisfação, e isto precisa ser reavaliado urgentemente, para se conhecer os limites de cada poder da República. O momento é delicado e exige profunda reflexão e o entendimento equilibrado dos limites dos 03 Poderes para restabelecer a harmonia plena entre eles”.

Em oportuno a deputada capixaba assegurou que os excessos não ajudam em nada, “e entendo que o Congresso Nacional deve ser o poder moderador de forma urgente e firme, na defesa da democracia plena de nossa República, perto de festejar os seus 132 anos de existência”.

Com relação à paralisação dos caminhoneiros, Norma disse que entende que eles têm o direito de se manifestar. “É hora de diálogo franco, firme, e com conteúdo que fundamente o reequilíbrio dos 03 poderes”.

O Democratas e o PSL partidos que negociam a fusão emitiram comunicado conjunto repudiando as ameaças do presidente, mas não mencionaram o impeachment. “Não considero que o momento seja esse. Agora é hora de se lutar pelo que é realmente importante para o povo brasileiro, que são as necessidades básicas e a oferta de emprego e renda. Para isso devemos proclamar a união dos três poderes. Nesse momento a prioridade é essa”.
Na nota do presidente ele recua, e assegura que no instante em que o país se encontra dividido entre instituições é dever dele como Presidente da República, vir a público para dizer: “Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar”.
Em nota Bolsonaro reconhece que parte das divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

O deputado do PSB capixaba, Ted Conti foi sucinto: “Uma das conquistas da democracia foi o direito das pessoas irem às ruas se manifestar. Os protestos são legítimos e devem ser respeitados. No entanto, houve excessos de alguns que querem justamente acabar com a democracia. Isso não podemos aceitar. Devemos sempre lutar pela liberdade e os que foram às ruas com esse intuito, estão exercendo a cidadania, que é um direito de todos os brasileiros”.

Declaração à Nação

No instante em que o país se encontra dividido entre instituições é meu dever, como Presidente da República, vir a público para dizer:

  1. Nunca tive nenhuma intenção de agredir quaisquer dos Poderes. A harmonia entre eles não é vontade minha, mas determinação constitucional que todos, sem exceção, devem respeitar.
  2. Sei que boa parte dessas divergências decorrem de conflitos de entendimento acerca das decisões adotadas pelo Ministro Alexandre de Moraes no âmbito do inquérito das fake news.

3…Mas na vida pública as pessoas que exercem o poder não têm o direito de “esticar a corda”, a ponto de prejudicar a vida dos brasileiros e sua economia.

  1. Por isso quero declarar que minhas palavras, por vezes contundentes, decorreram do calor do momento e dos embates que sempre visaram o bem comum.
  2. Em que pesem suas qualidades como jurista e professor, existem naturais divergências em algumas decisões do Ministro Alexandre de Moraes.
  3. Sendo assim, essas questões devem ser resolvidas por medidas judiciais que serão tomadas de forma a assegurar a observância dos direitos e garantias fundamentais previsto no Art 5º da Constituição Federal.
  4. Reitero meu respeito pelas instituições da República, forças motoras que ajudam a governar o país.
  5. Democracia é isso: Executivo, Legislativo e Judiciário trabalhando juntos em favor do povo e todos respeitando a Constituição.
  6. Sempre estive disposto a manter diálogo permanente com os demais Poderes pela manutenção da harmonia e independência entre eles.
  7. Finalmente, quero registrar e agradecer o extraordinário apoio do povo brasileiro, com quem alinho meus princípios e valores, e conduzo os destinos do nosso Brasil.

DEUS, PÁTRIA, FAMÍLIA

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade