Três pessoas detidas acusadas de venda de certificados falsos em Piúma

O delegado prendeu em flagrante enquanto realizavam a entrega de um certificado falso à uma mulher que teria comprado por telefone a menos de uma hora de sua confecção

Três pessoas foram presas em flagrante, na tarde desta terça-feira, 13, em Piúma acusadas de venda de certificados de cursos de extensão falsos. A investigação partiu do Ministério Público – MP de Anchieta.

Entre os detidos, a secretária de Educação de Piúma, Isabel Fernanda Scherrer, proprietária do Viva Instituto de Pesquisa e Cursos Educacionais, o esposo dela, responsável administrativo Carlos Antônio M. Castro e a secretária da empresa investigada, Ricarda dos Santos Souza.

A investigação partiu do Ministério Público – MP de Anchieta que solicitou ao delgado de Piúma, David Santana Gomes o cumprimento da prisão em flagrante, no ato da entrega de um certificado, encomendado há menos de uma hora por telefone, cujo depósito feito na conta de Fernanda, no valor de R$150.00. O certificado era de 200 horas de um curso, não especificado a reportagem.

A Reportagem teve acesso as informações por suas fontes e foi à delegacia confirmar os fatos. Fernanda estava depondo, Carlos Antônio e Ricarda aguardavam em uma sala reservada.

O processo corre em segredo de justiça, mas informações dão conta de que a investigação já dura pelo menos três anos.

 A Reportagem foi à delegacia, mas, não conseguiu falar com Fernanda, que está sendo acusada de falsidade ideológica e associação criminosa juntamente com o marido e a secretária. Informações extraoficiais dão conta de que os certificados ficavam assinados no Instituto previamente.

O administrador da empresa, Carlos Antônio disse que não sabia os motivos de sua prisão, uma vez que as atividades dos cursos são enviadas por e-mail’s aos alunos/cursistas, e eles faziam e enviavam de volta, não existe certificado sem realização do curso, adiantou.

A Reportagem entrou em contato com o prefeito Ricardo Costa para saber se ele tinha conhecimento dos fatos. Ricardo disse que estava sabendo por alto e que sua maior preocupação era com a mãe de Fernanda, sua vice-prefeita, Marta Scherrer, amiga e de idade, em como ela receberia esta notícia. Sobre os fatos, ele disse que precisa ter mais detalhes e que nenhuma decisão será tomada sem antes conhecer o processo. Até porque evolve a empresa da investigada que atua como Secretária de Educação.

Fernanda e Ricarda focam conduzidas ao Presídio Feminino de Cachoeiro de Itapemirim e Carlos Antônio para o Centro de Detenção Provisória – CDP de Marataízes.

A Reportagem tentou falar com os advogados de Fernanda, do esposo e da secretária do Viva e não conseguiu. O delegado disse que só cumpriu uma determinação do MP.    

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*