Setembro Roxo: A importância da conscientização sobre a fibrose cística

Setembro é o mês de conscientização sobre a fibrose cística, também conhecida como a doença do beijo salgado, uma vez que os portadores dela apresentam suor mais salgado que o comum. Para isso, foi criado o “Setembro Roxo” para alertar a população sobre sintomas e tratamento.

A fibrose cística é uma doença que não tem cura, é hereditária e crônica, que causa acúmulo de secreção nos pulmões, pâncreas e no sistema digestivo. Entre os principais sintomas estão a tosse, a diarreia com gordura, a falta de ar, a perda de peso e pneumonia.

A coordenadora do Centro de Referência Pediátrico de Fibrose Cística no Espírito Santo, Roberta Melotti, explicou que nas pessoas com fibrose cística ocorre grande reabsorção de sódio e água, levando à desidratação das secreções mucosas, aumento da viscosidade e obstrução dos ductos com reação inflamatória, resultando em uma doença sistêmica com grande variabilidade de sinais e sintomas.

“O diagnóstico precoce e o tratamento adequado aumentam a sobrevida, previnem as internações e/ou outras comorbidades, proporcionando melhor qualidade de vida à pessoa e à sua família. A falta ou incorreção no tratamento pode agravar a doença, tanto nos aspectos respiratórios quanto digestivos, debilitando a pessoa e exigindo cuidados cada vez mais complexos e onerosos, tais como transplante de pulmão e gastrostomia”, explicou Roberta Melotti.

Dados do Registro Brasileiro de Fibrose Cística informam haver, aproximadamente, 5.400 pessoas em tratamento no País. No Espírito Santo, estima-se que a incidência seja de 1 em cada 7.000 nascidos vivos.

No Estado, estão cadastradas no Centro de Referência de Fibrose Cística 140 pacientes entre adultos e crianças. A Secretaria da Saúde (Sesa) oferece tratamento a essas pessoas em dois centros especializados, sendo um pediátrico, localizado no Hospital Estadual Infantil Nossa Senhora da Glória (HINSG), em Vitória; e outro para adultos, no Hospital Estadual Dório Silva (HDS), na Serra.

Roberta Melotti disse ainda que os pacientes são atendidos por uma equipe multiprofissional. Durante o tratamento, são realizadas reposições de enzimas pancreáticas que auxiliam na digestão de gordura dos alimentos, fisioterapia respiratória, além do uso de antibióticos e suplementos nutricionais entre outros procedimentos.

“Esse processo visa a diminuir a progressão da fibrose cística, melhorando a qualidade e esperança de vida do paciente”, afirmou.

05 de setembro – Dia Nacional de Conscientização e Divulgação da fibrose cística

A data foi instituída com o objetivo de conscientizar a população brasileira, em especial os gestores e os profissionais da área de saúde, sobre a importância do diagnóstico precoce e do tratamento adequado da fibrose cística e divulgar a acessibilidade, nos serviços públicos de saúde e aos medicamentos indicados para o tratamento.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*