Professora de Kennedy aparece na Rodoviária de Vitória

Tânia ficou desorientada depois da prisão da prefeita Amanda Quinta, disse que saiu sem rumo, e ficou na rodoviária de Vitória desde segunda-feira

 

 

A professora de Presidente Kennedy Tânia Mara da Silva Pereira, 46 anos, que estava desaparecida desde segunda-feira(13), foi localizada por familiares na tarde desta quarta-feira(15), na rodoviária de Vitória.

Por telefone ela falou com a Reportagem do Espírito Santo Notícias, disse que realmente foi a Cachoeiro de Itapemirim, mas de repente teve uma vontade de sair em rumo, entrou no primeiro ônibus, sem planejar viagem alguma e se deparou na Rodoviária de Vitória. Permaneceu na rodoviária desde segunda-feira, sem banho e sem dormir, totalmente acesa, uma vez que, só dorme se for com remédios. Ela havia deixado o celular dela com o marido dela em Cachoeiro.

Nesta tarde de quarta-feira ela ligou para o celular dela, o marido atendeu, a irmã dela e o esposo já estavam em Vitória na casa de um parente que não viam há algum tempo e tomou u susto com a voz de Tânia no telefone informando que estava na Rodoviária de Vitória.

Tânia contou que toma remédios controlados e que a prisão da prefeita de Kennedy, Amanda Quinta mexeu muito com ela. Disse que já foi oposição e que em outros tempos adoraria saber de uma notícia destas, mas de repente ela se viu muito triste e refletindo sobre a situação saiu de cena. “Eu acho que eu estou amadurecendo, sei lá, ficando velha. Eu já torci contra, mas quando fiquei sabendo me bateu uma tristeza tão grande. Eu não quero isso para ela nem para ninguém. Ninguém merece, saí sem rumo para refrescar a cabeça e quando me vi estava na rodoviária, fiquei conversando com um e com outro. Vi tanta gente, tanta gente que tive medo de me perder, não sai de lá. Uma assistente social me ofereceu ajuda, mas eu só queria ficar lá, não entendi nada. Agora estou bem, vou voltar pra casa”, disse.

A família respira aliviada. A irmã agradeceu a todos que se preocuparam com Tânia. “Gente, a gente só se dá conta do tamanho do amor que a gente sente quando ocorre uma coisa destas. Graças a Deus ela está bem. Eu estava na casa de uma tia, quando o fone dela tocou. O marido dela disse, é Tânia. Que alívio”, disse a irmã, a também professora Agna Cândido.

 

Foi vista em Cachoeiro

 

Tânia havia sido vista pela última vez em Cachoeiro de Itapemirim e foi reencontrada na rodoviária da Capital. Ainda não se sabe o motivo do desaparecimento.
De acordo com o irmão da professora que estava sumida, o funcionário público Amauri da Silva Cândido, de 36 anos, Tânia e o marido estavam em Cachoeiro para fazer compras e serviços bancários quando ela sumiu. “Eles chegaram em Cachoeiro às 15h50 e deixaram o veículo em um estacionamento da Rua Costa Pereira, no Centro da cidade. Ele seguiu para o banco e ela foi para um supermercado, no bairro Guandu, onde se encontrariam”, afirma.

“Ela deixou tudo dentro do carro (bolsa, documentos, aparelho celular). Depois que ele (marido) terminou, foi para o supermercado e, chegando lá, ficou esperando e nada.”, diz Amauri.

O caso teve grande repercussão nas redes sociais e estava sendo investigado pela Delegacia Especializada de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP) de Cachoeiro de Itapemirim.

Após o reencontro, Tânia agora deve ser levada para sua residência na Sede de Presidente Kennedy.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*