Publicidade

Na delegacia, prefeito de Piúma grava vídeo e afirma que quer punição para quem propagou fake news contra o secretário de Obras

Fake News leva prefeito de Piúma à Delegacia para pedir providências imediatas em relação a um vídeo maldoso, compartilhado nas redes sociais, acusando o secretário de obras de receber propina

Renan Bassul Missagia, secretário de Obras, Nathalia Togneri,esposa do secretário, Leticia Martins Ludgero, procuradora geral

O secretário de Serviços e Obras de Piúma, Renan Bassul Missagia, registrou Boletim Unificado – BU na Delegacia da Polícia Civil – PC, na manhã de quinta-feira (02), para que seja instaurado um inquérito investigativo e apure quem montou um vídeo e compartilhou nas redes sociais o acusando de receber propina de duas empresas que prestam serviços ao município.
O secretário esteve na Delegacia na manhã desta quarta-feira (08 ), para ser ouvido pela autoridade policial no inquérito que investiga o fake News praticado contra ele. No vídeo compartilhado pelo WhatsApp foi feita uma montagem onde o acusam de receber propina das empresas Fortaleza que presta serviços de varrição e coleta de lixo e também da empresa Vitalizza, a que recolhe os entulhos.
Na semana passada o secretário falou ao jornal que o caso será investigado pela Polícia e que estava tomando providências cabíveis. Disse que o trabalho sério que a administração está realizando está incomodando quem não quer o bem de Piúma. Em tempo, Renan disse que em breve estará mostrando a toda a cidade todo o trabalho que vem sendo feito no município por intermédio de um relatório. “A polícia vai investigar e nós vamos mostrar trabalho. Tudo ficará esclarecido. A política suja de Piúma pegou uma foto minha e colocou essas inverdades, afim de desestabilizar nosso governo. Já prestei queixa e tenho minha consciência tranquila”, disse.
Nesta quarta-feira (08), o prefeito Paulo Cola – Cidadania- esteve na Delegacia da Polícia Civil, acompanhando o secretário de Obras e a procuradora geral, Letícia Ludgero. O prefeito gravou um vídeo e foi enfático: ‘Olá piumenses, nos últimos dias, o nosso secretário de Obras Renan Misságia e toda a nossa administração foi vítima de uma fake news, de um crime, e nós, agora, estamos aqui na Polícia Civil. Viemos aqui para pedir providências, acreditamos na Polícia e acreditamos na justiça. Quero deixar bem claro que, ataques deste jeito, injustiça a qualquer servidor será considerado um ataque à administração, ao município e ao próprio prefeito. Com certeza, a justiça e a polícia vão identificar estes criminosos e vão punir exemplarmente’, afirmou o prefeito.
Oportunamente o prefeito assegurou que disseminar fake news, mentiras, compartilhar conteúdo ofensivo e criminoso também é crime. “E todas estas pessoas que insistirem neste ato criminoso vão, com certeza, pagar. Nós confiamos na justiça, confiamos na polícia. Nos próximos dias nós pedimos e exigimos uma atuação exemplar”, enfatizou.
A procuradora Geral do município se manifestou no Instagram do jornal após a postagem do vídeo do prefeito:
“Não apenas como procuradora-geral, mas como servidora pública, apoio com veemência o prefeito e a gestão Paulo Cola. Se existem crimes sendo cometidos, precisam ser apurados, se existem falsas incriminações, também precisam ser apuradas e punidos os envolvidos. Gestão séria trabalha com coragem e união de propósitos”!
O proprietário da empresa Fortaleza Ambiental Gerenciamento de Resíduos LTDA informou que a assessoria jurídica da empresa já tomou as medidas cabíveis e tão logo tomou conhecimento do vídeo registrou um Boletim Unificado na Polícia Civil. Disse ainda que a empresa não tolera este tipo de difamação e tem um nome a zelar.
A Polícia Civil começou a ouvir as partes atacadas no vídeo montado. A empresa Vitalizza também registrou um Boletim Unificado na Delegacia de Piúma, pedindo providências imediatas. O proprietário da empresa será ouvido ainda nesta semana. “Estive na Delegacia, a delegada está empenhada em investigar e descobrir quem praticou o crime. Estou confiante”, ressaltou Fábio Fonseca Bressanele.
O caso está sendo investigado em Piúma.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade