Mulheres comandam a Câmara em Vargem Alta e vice-governadora prestigia cerimônia

Os vereadores de Vargem Alta estão de parabéns. Junto com as mulheres eleitas eles construíram um diálogo e resolveram apoiar três das quatro eleitas para compor a mesa. A vice-governadora, Jacqueline Moraes, foi prestigiar a posse

Mesa Diretora eleita por unanimidade em Vargem Alta / Foto Tiago Rocha

Dos 11 eleitos para a Câmara Municipal de Vargem Alta, quatro são mulheres: Ana Thomazzini, DEM; Alessandra Fassarella, PSB; Anna Gaburo, MDB e Mara Davi, Republicanos. E, nestes 32 aos de emancipação política, a Casa de Leis jamais fora presidida pelo sexo feminino. Desta vez, apenas uma chapa concorreu a eleição e, pasmem, a Mesa toda será composta por elas: Alessandra, presidente; Anna Gaburo, vice-presidente e Mara Davi, secretária.

A ruptura com o poder masculino marca uma nova era e mostra que a mulher se preparou para ocupar o seu lugar de fala e poder e vai mostrar nestes dois anos de Mesa e quatro anos de mandato.

 Chapa única, as mulheres decidiram comandar o Legislativo de Vargem Alta promovendo um novo momento na história do Espírito Santo e talvez, do Brasil em um município de 21 mil habitantes. O mais incrível é que os sete vereadores concordaram em deixar com elas o comando e a caneta.

Prestigiando este momento histórico, a mais empoderada mulher – politicamente falando – no Espírito Santo foi ver de perto esta eleição da Mesa Diretora: a vice-governadora Jacqueline Moraes acompanhou a cerimônia restrita aos eleitos.

A vice-governadora ressaltou que os homens merecem aplausos hoje, pois não só concordaram, mas construíram com elas esta ponte para a composição da Mesa Diretora. É um momento de reflexão, pois eles mostram que compreendem a importância de equiparar o poder e construir juntos uma sociedade justa para todos. Jacqueline está empolgada e decidiu prestigiar esta cerimônia levando as duas filhas para compor a foto-registro histórica no ES.

Advogada/Conselheira tutelar Alessandra Fassarella foi escolhida para presidente; Ana Gauro para vice e Mara David – secretária.

A Câmara mais feminina do país terá os seus cargos de primeiro escalão todos ocupados por mulheres empoderadíssimas. Na direção, controladoria, procuradoria são elas também assinando e dando plenos poderes ao Executivo de Vargem Alta.

O jornal Espírito Santo Notícias conversou com as três empoderadas vereadoras de Vargem Alta e apresenta para os leitores uma a uma:

Advogada preside o poder legislativo

Alessandra Fassarella presidente da Câmara/ foto arquivo

Centrada, focada e com um curriculum invejável, a presidente Alessandra Olga Borges Fassarella, 36 anos, PSB, é nascida em Vargem Alta, residente no distrito de Castelinho, filha de José Maria Fassarella (agricultor) e Roseneri Borges Fassarella (do lar), formada em Direito pela Faculdade de Direito de Cachoeiro de Itapemirim, Pedagogia pela UFES e especialização de Gestão Financeira e Orçamentária do SUAS também pela UFES.

De acordo com a vereadora, eleita para o primeiro mandato, ela trabalhou muitos anos com o agricultor, o pai e aos 26 anos ingressou na administração pública. “Fui coordenadora escolar e, em 2011 iniciei minha trajetória no Conselho Tutelar de Vargem Alta. Em 2013 assumi a gerência do CRAS e em 2016 retornei para o Conselho Tutelar no qual permaneci até o final de 2020”.

Fassarella revela que ela não tinha nenhum sentimento ou intuito político em suas atuações.

No início de 2020 foi convidada a se filiar ao partido Socialista Brasileiro – PSB, mas não pretendia ser candidata. Após alguns meses o presidente do PSB de Vargem Alta fez o convite para ser candidata. “O desafio foi lançado e acabei aceitando. Como membro da Câmara quero trabalhar por justiça social, defendendo a causa da criança e do adolescente (bandeira essa que aprendi a amar durante os 3 mandatos de conselheira), além de cumprir com as atribuições legislativas, com zelo, compromisso e respeito às leis e ao povo que me elegeu”.

Para Alessandra passos importantes foram dados para a participação da mulher na vida pública. Vargem Alta não está de fora. Pela primeira vez elege não só uma presidente da Câmara, como uma mesa diretora composta apenas por mulheres. “Pela maior parte da história, “anônimo” foi uma mulher”, comentou Virgínia Woolf. “Pois eu digo que em Vargem Alta a mulher tem nome, vez e voz”, ressaltou a presidente Alessandra Fassarella.

Vice-presidente da mesa está no terceiro mandato

“Minha cidade é linda e possui um clima maravilhoso, sendo pouco desenvolvida nesta área”

Anna Gabruro – vice-presidente/ foto Arquivo

De origem simples, Anna Maria Pedruzzi Gaburo, 61 anos, MDB é nascida no município de Alfredo Chaves e em 2005 mudou-se para Vargem Alta. É filha de Domingos Pedruzzi, que, além de agricultor, foi agente de saúde comunitário e sub delegado no município de Alfredo Chaves. A mãe é Dalzira Gottardo, lavradora.

“Iniciei minha trajetória de trabalho no Município de Vargem Alta como servidora pública efetiva e hoje sou vereadora. Estou indo para o terceiro mandato e agradeço a população Vargem Altense pela confiança depositada em mim”.

Anna sempre esteve envolvida com a política e a vê como uma forma de melhorar a vida das pessoas. “A política é a principal ferramenta de transformação da sociedade”, assegurou.

Foi o pai quem a ensinou a importância da política. “Ele não teve mandato e nunca se candidatou, mas era um grande apoiador e interessado no assunto. Sempre enxerguei a política como instrumento do povo, pois é nela que acontecem as discussões e são tomadas as decisões que dizem respeito à vida do cidadão”, disse.

Nos dois mandatos que já cumpriu, teve um trabalho parlamentar com aprovação de leis de autoria dela que trouxeram e continuam trazendo benefícios para a população de Vargem Alta. “Além disso, consegui diversos recursos de emendas parlamentares para o município, via deputados estaduais, federais e senadores.  Nesse terceiro mandato, darei continuidade a esse trabalho pois ainda temos muito a fazer por Vargem Alta. Nosso olhar deve estar voltado para as necessidades da população, fortalecimento das associações comunitárias e sobretudo os serviços essenciais”, enfatizou.

Para a vereadora, o crescimento da participação feminina na política significa um grande avanço para a democracia, pois é possível que homens e mulheres se unam para discutir e decidir com igualdade de diretos e pensamentos. “Assim é possível se construir um espaço mais acessível a toda a sociedade. Acho que Vargem Alta está dando um ótimo exemplo com 4 mulheres eleitas”.

Em relação à Mesa Diretora ser composta por mulheres, Gaburo enxerga como um grande passo e tem certeza que a Câmara seguirá cumprindo seu papel.

“Atualmente sou vice-presidente da Câmara e me sinto imensamente feliz em contribuir com o Município de Vargem Alta. Nosso olhar deve estar voltado para as necessidades da população, fortalecimento das associações comunitárias e sobretudo os serviços essenciais”, ressaltou com os pés no chão Anna Gaburo, eleita vice-presidente da Mesa Diretora.

Farmacêutica é a secretária da Mesa

“Acho muito bom a mulher se envolver na política, pois tem um olhar mais crítico e também mais sensível às causas sociais”

Mara secretária da Mesa Diretora / foto Arquivo

Mara Aparecida David Pansini, 55 anos, Republicanos, residente na comunidade de Vila Esperança, filha de Abdo David, professor e empresário e Juracema Nespoli David, do lar. 

Graduada em Farmácia e Bioquímica em 1988 passou no vestibular da UFES e se graduou em farmácia e bioquímica e posteriormente se especializou em citoquímica no Rio de Janeiro. Voltou para Vargem Alta e trabalhou em Cachoeiro de Itapemirim em alguns laboratórios e farmácias da rede privada. Em 1989, passou no primeiro concurso público do município recém emancipado de Vargem Alta, onde atuou na Farmácia Básica como coordenadora e como bioquímica e farmacêutica dos programas de Hanseníase e Tuberculose. Durante a atuação como servidora pública foi convidada a assumir interinamente o cargo de secretária de Saúde em duas diferentes gestões. Em 2019, se aposentou e hoje trabalha como empresária no ramo de mármore e granito. 

“Essa será minha primeira experiência como vereadora, inclusive nunca fui sequer filiada a um partido político. Meu tio foi vereador da primeira Câmara Municipal de Vargem Alta, e atualmente tenho uma prima que é vereadora no município”.

Mara David assegurou que decidiu entrar para a política porque percebe os gargalos, demandas e as necessidades das comunidades.

“Ciente das necessidades que já observava trabalhando no serviço público e também como cidadã, resolvi entrar na política movida por um desejo de cooperar e fazer mais pela minha cidade. A palavra vereador vem do verbo verear, isto é: zelar e vigiar o bem-estar da comunidade. Outra coisa que também me motivou, foi fazer parte da associação comunitária e esportiva da minha comunidade”, explicou.

Segundo a vereadora Mara Aparecida, Vargem Alta pode esperar o empenho e seriedade para contribuir para uma cidade melhor. “Pretendo acompanhar de perto as ações do Executivo, para apoiar o que for bom e criticar/melhorar o que não estiver correto. Pretendo também, propor leis que beneficiem o povo, buscando recursos na esfera Estadual, tanto através de emendas parlamentares quanto através das secretarias de governo. No governo federal, pretendo buscar verbas através de projetos e emendas parlamentares”, frisou.

Pansini traz muitas preocupações para com a cidade: o saneamento básico, a telefonia e outros, mas ela quer dar ênfase ao turismo, “minha cidade é linda e possui um clima maravilhoso, sendo pouco desenvolvida nesta área”.


Ruptura

Ter uma mesa diretora só de mulheres vejo com bons olhos, mas entendo que o mais importante agora é Câmara ficar bastante unida, buscando o bem maior que é o desenvolvimento de nosso município. A eleição acabou em 15 de novembro, sendo assim, precisamos ter agora como partido único o município de Vargem Alta. Lógico que cada um tem suas individualidades, mas sempre visando o bem maior do município”.

Vargem Alta – História

No início da colonização portuguesa instalaram-se fazendas escravocratas na região, mas estas foram desativadas gradativamente concomitantes à imigração italiana no final do século XIX.

A colonização no município se deu com a doação de terras na época do Segundo Império (D. Pedro II). O clima da região fez com que os imigrantes italianos se instalassem no município.

O município de Vargem Alta é cortado longitudinalmente de norte a sul pela Rodovia ES-164 (Rodovia Geraldo Sartório) e pela rodovia ES 375 iniciando no distrito de Prosperidade ligando ao município de Iconha.
 
A Estrada de Ferro Leopoldina também cruza o território e foi a responsável em grande parte da história do município pelo seu desenvolvimento e também pela formação dos núcleos populacionais surgidos a partir de sua construção.
 
No município, mais exatamente da localidade de Prosperidade, foi extraído em 1957 o primeiro bloco de mármore no estado do Espírito Santo, inaugurando a fase de exploração e beneficiamento de rochas ornamentais do Estado.
 
A emancipação se deu em março de 1981 através de plebiscito onde 87 % da população foi favorável a separação do então distrito do município de Cachoeiro de Itapemirim.
 

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*