Publicidade

Grampo telefônico leva polícia aos suspeitos do assassinato de Marquinhos Costalonga em Kennedy

Apesar dos dois homens presos suspeitos no assassinato de Marquinhos negarem tudo, um deles ter estado na cena do crime, em Leonel e também no mesmo lugar onde o veículo fora queimado dois dias depois, os indícios podem ser uma ponta do quebra-cabeça para levar a cadeia os criminosos que mataram o vereador de Kennedy

Marquinhos foi assassinado no dia 27 de maio em Kennedy – foto arquivo pessoal

A sociedade de Presidente Kennedy exige uma resposta ao crime que vitimou o vereador Marcos Augusto Costalonga, no dia 27 de maio. A família e os amigos querem saber se há uma motivação, quem são os bandidos. Já se passam de dois meses e o silêncio só angustia e traz mais dor para quem conheceu e teve a oportunidade de conviver com Marquinhos da Cooperativa.

Dois meses e um dia após o covarde assassinato de Marcos Augusto Costalonga, 49 anos, a Polícia Civil – PC do Estado do Espírito Santo conseguiu prender dois homens suspeitos de participação no crime. As prisões ocorreram em Castelo e em Cachoeiro de Itapemirim.

Foto: divulgação

No final da tarde desta quarta-feira, 28, o secretário de Segurança Pública do ES, Alexandre Ramalho, o tenente coronel Alves do CPO Sul e o delegado de Polícia Civil – PC que atua em Presidente Kennedy concederam uma coletiva a imprensa na Delegacia de Itapemirim. Nesta coletiva, o secretário de Segurança falou da Operação Estado Presente e pouco se falou de fato do assassinato do vereador que não tinha inimigos e era muito reservado, além de querido na cidade. Não há o que se falar de Marquinhos da Cooperativa, para os amigos e, Marcos Costalonga, o vereador.

Perguntado ao delegado Dr. Thiago Viana, se o assassinato do vereador teria ligações com agiotagem, ele disse que não há nada contra a idoneidade de Marcos e que aparentemente ele não há um motivo que possa justificar este crime. Sobre qual linha de investigação caminha os trabalhos da Polícia, não há nenhuma específica, embora o delegado de Itapemirim que também auxilia nas investigações tenha garantido que o crime não tem viés político.

Logo após o assassinato suspeitou-se de latrocínio, roubo seguido de morte, mas, esta hipótese fora descartada dias depois, agora, uma associação criminosa é presa acusada de vários crimes e, nesta associação, dois deles, com mandados de prisão expedidos pela justiça foram presos suspeitos de participação no homicídio.

Um dos detidos tinha mandado de prisão temporária por suspeita de envolvimento neste crime e o outro, tinha mandado de prisão pelo crime de roubo.

A coletiva foi realizada em frente a Delegacia de Itapemirim

Em relação aos bandidos presos em Castelo e Cachoeiro, suspeitos de envolvimento no assassinato, o delegado Thiago disse que eles negam tudo, mas, há evidências nos rastros deles, tanto no dia do crime, quanto no dia do incêndio ao veículo, supostamente usado por eles, o telefone de uma deles estava no grampo e a Polícia monitorou por onde um deles passou, até a rota de fuga quando o sinal de telefonia se perdeu.

O que levou a Polícia a Polícia a grampear o telefone de um deles foi o assalto ao Posto de combustível Azarão no centro de Kennedy, onde os bandidos cometeram o crime e saíram arrastando o cofre pelas ruas da cidade do dia do fato.

A associação criminosa vinha sendo monitorada até então após a quebra o sigilo telefônico deles, foi o que levou a Polícia Civil a solicitar os mandados de prisão.

O secertário de Segurança Pública falou da Operação Estado Presente – Foto/ Assessoria de Imprensa da Secretaria de Segurança ES

Veja parte da coletiva de imprensa realizada em Itapemirim, nesta quarta-feira com o secretário Estadual de Segurança Pública, Alexandre Ramalho, o delegado de Kennedy e o Coronel Alves do CPO Sul.

Estado Presente

As forças de segurança do Espírito Santo deflagraram, nessa segunda-feira (26), mais uma edição da Operação Estado Presente, dessa vez, na região sul do Estado. A ação tem como objetivo cumprir mandados de busca e apreensão e de prisão, aumentar a ostensividade e a presença policial nos municípios onde é realizada.

Entre a segunda-feira e esta quarta-feira (28), foram cumpridos 15 mandados de busca e apreensão e realizadas 11 prisões, sendo que quatro dos detidos tinham mandados de prisão por homicídio. Também houve importantes apreensões de armas e drogas.

A operação continua em andamento, com a presença ostensiva de policiais militares e civis durante a tarde e noite desta quarta-feira (28). A ação é realizada em parceria com as Administrações Municipais, principalmente nos municípios litorâneos da região sul.  

“Temos realizado a Operação Estado Presente nas regiões do interior do Estado e também na Grande Vitória, com foco na visibilidade policial, na prevenção e elucidação de crimes violentos. Agradecemos a todos os policiais que estão, diariamente, empenhando esforços para cumprirmos as premissas do Programa Estado Presente em Defesa da Vida, conforme preconizado pelo governador Renato Casagrande”, disse o secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, coronel Alexandre Ramalho.  


Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade