Festival de Artes Cênicas terá espetáculos ao ar livre

A peça Números, da Cia Os Palhaços de Rua (PR), é uma das atrações

Além de performances teatrais em espaços fechados, o VIII Festival de Artes Cênicas de Cachoeiro de Itapemirim (Facci), que começará sexta-feira (26), terá encenações a céu aberto, na região urbana e no interior. O evento será realizado pela Prefeitura de Cachoeiro, por meio da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Semcult), até 4 de agosto, e contará com mais de 50 apresentações de grupos e artistas do Espírito Santo e de outros seis estados. Confira a programação completa.

A primeira peça acontecerá nesta sexta, às 15h, na escola municipal São Vicente, localizada no distrito de mesmo nome. É o espetáculo “Lechuga Circus”, da Cia Tramp de Palhaços, de São Paulo, que conta a história de três sujeitos atrapalhados: Maricon, Chimpa e Pancada. O circo chega na cidade e eles têm que preparar o picadeiro. Nesse processo, acabam encontrando um baú com diversos objetos, que lhes provocam situações inusitadas e divertidas.

No sábado (27), a praça Jerônimo Monteiro, no centro da cidade, vai receber às 9h a peça paraibana “Parahyba Rio Mulher”, na qual é recontado o episódio da mudança de nome da Cidade de Parahyba, no seio da Revolução de 1930, a partir da história de Anayde Beiriz, protagonista que alterou os rumos da história da Paraíba e do Brasil, e sua relação com os fatos que levaram a capital do estado a se chamar João Pessoa.

Ainda na praça, no mesmo dia, às 11h, o Grupo Paiol, do Paraná, vai encenar o espetáculo “O Cravo e a Rosa”, cuja poética, de acordo com a sinopse, é colorida pela cultura do pé vermelho, do interior do norte paranaense. Trata-se de um musical infantil, e todas as músicas são de autoria do Grupo Paiol para a obra, inspirada em um trabalho artístico com alunos de uma escola municipal de Arapongas.

No domingo (28), pela manhã, as atrações serão na Praça de Fátima, também na região central. A primeira peça da agenda, marcada para as 9h, é “A Refeição”, da Cia Tramp de Palhaços, de São Paulo, que mostra a história dos tradicionais vendedores de pipocas, destes que vendem nas portas dos teatros, mas que muitas vezes nunca tiveram a oportunidade de entrar para conhecer este lugar mágico.

Às 10h, tem a intervenção poética “Criança”, do Projeto Jovens Atores de Vargem Alta, e, na sequência, a apresentação do espetáculo convidado “O Show do Trapilho”, com Thiago Nicácio de Oliveira Sobrinho, que faz números clássicos de circo, interagindo com o público de forma mútua em suas brincadeiras e gags de palhaçaria, malabarismo e equilibrismo, levando o espectador para o universo lúdico da magia circense. Às 10h20, tem o espetáculo “Encantando”, com alunos da Associação Teatral de Cachoeiro (Asteca).

Em seguida, às 10h45, o grupo capixaba Gota, Pó e Poeira apresentará, no local, “A saga amorosa dos amantes Píramo e Tisbe”. Em sua sinopse, uma companhia de teatro tem a incumbência de apresentar para o rei e a rainha uma peça de teatro que reúna amor e comédia. Por isso, encena um amor impossível entre Píramo e Tisbe, de famílias rivais, que combinam uma fuga para viver seu amor. O decorrer dos fatos, entretanto, resulta num mal-entendido cômico.

 Por fim, às 11h30, a trupe paranaense Cia Os Palhaços de Rua vai apresentar a peça “Números”, que revela o tresloucado e divertido mundo de Batata Doce e Turino, os dois palhaços que acabam de chegar de suas andanças pelo mundo afora e estão loucos para mostrar as coisas que aprenderam em sua alegre aventura. Entre saltos e labaredas, eles fazem as maiores confusões na hora em que um vai ajudar o outro.

 “Uma grande tradição da história das artes são as apresentações de teatro de rua. Assim, o VIII Facci fortalece esta tradição, com alegria, nas duas praças mais importantes de Cachoeiro”, resume o subsecretário municipal de Cultura e Turismo, Lucimar Costa.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*