Publicidade

Festa Internacional Literária de Vargem Alta abordará a temática Literaturas Lusófonas

A primeira edição do LITERALTA: Festa Literária Internacional de Vargem Alta, que acontece entre os dias 16 e 21 de fevereiro, com a tema “Oralidade e Tradição: Motrizes Africanas”, abordará na primeira mesa de debate o assunto sobre Literatura (s) Lusófona(s).

A mesa terá a mediação da pesquisadora, professora e diretora teatral, Sara Passabon, que também é umas produtoras do evento. Sara tem formação em mestrado e doutorado em Artes Cênicas (PPGAC/UNIRIO) e na Universidade Eduardo Mondlane (UEM) de Moçambique. Também participaram da mesa o convidado internacional Eduardo Quive da Editora da Revista Literata de Moçambique, Mirts Sants, empresária da Pretaria Black Books de Cabo Verde, além do professor do Departamento de Artes Cênicas da UNIRIO, Zeca Ligiéro.

Eduardo Quive é jornalista, escritor e produtor cultural, moçambicano. É fundador e diretor da Revista de Artes e Letras de Moçambique – LITERATAS. Mirtes Santos, é quilombola, fundadora, editora e diretora Executiva do primeiro Clube de Literatura Antirracista, ativista e militante do movimento social negro, advogada e consultora Jurídica em Direitos Humanos, professora e mestra em Direito e Sociologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Zeca Ligiéro, é autor, diretor e artista visual, mestrado e doutorado na NYU e Pós-Doc na Yale Universty e na Paris VIII. Professor do Departamento de Direção e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – PPGAC-UNIRIO e coordenador do NEPAA – Núcleo de Estudos das Performances Afro-Ameríndias da UNIRIO.

Estas personalidades debateram o tema Literaturas Lusófonas, que é literaturas escrita na língua portuguesa, num contexto de conexão e afinidades culturais e literárias. O Debate propõe explorar algumas possibilidades de aplicação desse tema «literatura(s) lusófona(s)» discutindo a existência ou não de um sistema literário formado pelas literaturas lusófonas, possível da desconstrução hegemônica da língua portuguesa.  Considerar, também, a lusofonia como uma “comunidade imaginada”, de caráter transcultural e transnacional. Refletindo suas dinâmicas diaspóricas que ultrapassam fronteiras. E estas sustentada por “Motrizes africana” sobretudo, pela oralidade e tradição africana nas diásporas constituídos de diversas etnias e com diferentes culturas.

O evento que acontecerá pela internet por causa da pandemia poderá ser acessado gratuitamente. O debate acontece na terça-feira (16) às 16 horas, no site do evento (www.literalta.com).

Serviço:

LITERALTA – Festa Literária Internacional de Vargem Alta

Dias: 16 a 21 de fevereiro de 2021

Evento: Online

Site: www.literalta.com

Público-alvo: escritores, educadores e interessados em geral.

Inscrições Abertas e Gratuitas

Redes Sociais

www.instagram.com/festa.literalta

www.twitter.com/literalta

www.facebook.com/literalta

https://www.youtube.com/channel/UC4WLLQjRfYyQjpb9oU0norA

Biografia dos participantes da mesa de debate

Sara Passabon Amorim

Pesquisadora e diretora teatral: dedica-se à produção, à formação e a assessorias artísticas e culturais. Mestrado e Doutorado em Artes Cênicas (PPGAC/UNIRIO) e na UEM – Universidade Eduardo Mondlane – Moçambique.  Pós-doutorado (em andamento) no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Territorialidades (PÓSCOM/UFES).

Zeca Ligiéro

Autor, diretor e artista visual, mestrado e doutorado na NYU e Pós-Doc na Yale Universty e na Paris VIII. Atua principalmente nas linhas: estudos da performance afro-brasileira e teatro experimental. Entre seus livros: Divine Inspiration from Benin to Bahia (EUA), Iniciación al Candomblé (Colômbia), Malandro Divino, Carmen Miranda: uma performance afro-brasileira, Teatro e Dança como experiência comunitária e Corpo a Corpo, estudos das performances brasileiras e organizador de Performance e Antropologia de Richard Schechner. Professor do Departamento de Direção e do Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas – PPGAC-UNIRIO e coordenador do NEPAA – Núcleo de Estudos das Performances Afro-Ameríndias da UNIRIO. Entre seus trabalhos recentes se destaca o vídeo Dona Mariana, princesa turca da Amazônia (75.000 espectadores) e o espetáculo Sociedade Secreta de Palhaços Sagrados Sucupiras participando do projeto Nepaa Itinerante em diversos municípios do Estado do Rio de Janeiro.

Mirtes Santos

Quilombola da Comunidade do Angelin2 no ES, Fundadora, Editora e Diretora Executiva do primeiro Clube de Literatura Antirracista, por assinatura do Brasil (adulto e infanto-juvenil), o Pretaria BlackBooks & Blackids. Ativista e Militante do Movimento Social Negro, Advogada e Consultora Jurídica em Direitos Humanos, Especialista em Relações Etnicorraciais e Políticas Públicas de Gênero e Raça – UFES. Professora e Mestra em Direito e Sociologia pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Participou da Comissão Organizadora da I e II Feira Literária Brasil-África de Vitória-ES (2013-2015) e da I Semana Panafricana (2016), Participa de Grupos de Estudos e Pesquisas sobre Racismo e Antirracismo, e de Literatura Africana – Nafricab-UFES.

Eduardo Quive

Jornalista, escritor e produtor cultural, moçambicano. É fundador e diretor da Revista de Artes e Letras de Moçambique – LITERATAS (www.literatasmz.org).É membro fundador do Movimento Literário Kuphaluxa. É autor do livro “Lágrimas da Vida Sorrisos da Morte” (Literatas, 2012); Co-autor de “Brasil & África – Laços Poéticos” (Editora Letras, 2014); co-organizador das colectâneas “Contos e crónicas para ler em casa” vol. I e vol. II (Literatas, 2020) e a coletânea de entrevistas “O abismo aos pés: 25 escritores lusófonos respondem sobre a iminência do fim do mundo em 2020”.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *