Fapes transfere R$ 1 milhão para estruturar primeiro laboratório capixaba com nível máximo de biossegurança

O Espírito Santo contará com o primeiro laboratório do mais alto nível de biossegurança permitido em instituições de ensino, o que possibilita realizar pesquisas com micro-organismos de alto risco no processo de manipulação, como o novo Coronavírus causador da Covid-19. O Núcleo de Doenças Infecciosas da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) terá o laboratório modernizado, com investimento de R$ 1 milhão a ser transferido pela Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes).

Por meio da parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), serão repassados o total de R$ 1.944.107,51 à instituição para adequar as instalações às exigências necessárias ao aumento do nível de biossegurança de NB2 para NB3, o maior possível. O nível de biossegurança 4, na classificação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), é destinado a centros de pesquisa e indústrias.

Na noite da última quarta-feira (02), o MCTI lançou o Sistema Nacional de Laboratórios de Alto Nível de Biossegurança. O programa tem o objetivo de modernizar 18 laboratórios contemplados para avançarem da categoria NB2 para NB3.

“Mais uma vez, a Fapes entra em uma parceria para impulsionar a ciência produzida em território capixaba. O investimento a ser transferido pelo Governo do Estado se mostrará fundamental para a estruturação do laboratório localizado na Ufes, de acordo com as exigências de biossegurança, e para o fortalecimento da comunidade científica local que poderá utilizar o espaço”, considerou o diretor-presidente da Fapes, Denio Rebello Arantes.

Obras e equipamentos

As obras de infraestrutura e a compra de equipamentos para a elevação do nível de biossegurança do laboratório devem ser iniciadas ainda neste ano. Dentre as adequações estão a instalação de sistema de pressão negativa para exaustão e filtração do ar do interior do ambiente. O laboratório contará com cabines de segurança biológica, citômetro de fluxo, centrífuga, ultrafreezers e incubadoras biológicas, entre outros equipamentos. A expectativa é que, já no início de 2021, tudo esteja pronto para receber as pesquisas que exigem um nível maior de segurança na manipulação de micro-organismos.

Segundo o professor do Programa de Pós-Graduação em Doenças Infecciosas e coordenador do projeto, Daniel Gomes, há no Espírito Santo 14 projetos de pesquisa que envolvem o vírus SARS-CoV-2, com potencial direto de utilização do Lab NB-3-Ufes. “Se não tivéssemos conseguido estruturar esse laboratório, teríamos que utilizar outras universidades parceiras para desenvolver as pesquisas na fase de manipulação do vírus”, afirmou. Além dos projetos sobre o novo Coronavírus, o laboratório será utilizado, por exemplo, em pesquisas com o Mycobacterium tuberculosis (tuberculose), Mycobacterium leprae (hanseníase), o Ebola vírus e o HIV.

O pró-reitor de Pesquisa e Pós-Graduação, Valdemar Lacerda Jr., lembra que o laboratório apoiará a realização de atividades de pesquisas vinculadas a oito programas de pós-graduação (Doenças Infecciosas, Biotecnologia, Ciências Fisiológicas, Saúde Coletiva, Educação Física, Química, Engenharia Ambiental e Bioquímica), a 77 pesquisadores e, aproximadamente, 210 alunos de pós-graduação.

“A Ufes contará com uma estrutura para realização de procedimentos de isolamento, manipulação, cultivo e caracterização de organismos de alto risco biológico. Isso vai permitir à Universidade e ao Espírito Santo independência científica e crescimento nas pesquisas”, afirma Lacerda Jr.

O Lab NB-3-Ufes também disponibilizará sua estrutura para outras instituições de Ensino Superior localizadas no Espírito Santo, como o Instituto Federal do Espírito Santo (Ifes) e instituições privadas.

Chamada pública

Em julho de 2020, a Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), empresa pública ligada ao MCTI, lançou a chamada pública no valor total de R$ 25 milhões para selecionar propostas de adequação ou implantação de infraestrutura física em laboratórios e biotérios de nível de biossegurança 3 (NB-3).

resultado homologado foi divulgado na última quarta-feira (02) e o projeto “Estruturação de laboratório NB3 para isolamento e caracterização de patógenos de alto risco biológico” será contemplado com R$ 914.469,00. A Fapes, então, destinará mais R$ 1 milhão para o projeto, que beneficiará não somente as atividades da Ufes, mas também de outras instituições de ensino e pesquisa presentes no Estado.


Com informações da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


*