Desportiva | Rafael Caldeira já foi campeão da Libertadores e quer fazer história

O zagueiro recém contratado pela Desportiva, Rafael Caldeira, atuou por diversos clubes em sua carreira, porém, segundo o próprio atleta, o período em que esteve na baixada santista foi o mais marcante. 

Como o próximo jogo da Desportiva será um clássico contra o Vitória, o atleta lembrou que, com apenas 18 anos, estreou em clássicos contra o Corinthians quando entrou no intervalo para substituir o zagueiro titular, Bruno Aguiar, que saiu machucado.

– Eu já havia feito minha estreia contra o Grêmio Prudente, fora de casa, mas logo em seguida veio um clássico que eu não imaginava um dia jogar. Eu tinha apenas 18 anos e estava no banco quando o Iarley caiu em cima do tornozelo do Bruno Aguiar e acabou quebrando o tornozelo dele (Bruno Aguiar). Entrei e fiz dupla de zaga com o Durval. Foi um jogo muito importante pra mim, transmitido no horário nobre da Globo em plena quarta-feira para o Brasil todo, jogando ao lado de Neymar, Ganso e tantos outros jogadores, contra também o Corinthians que tinha Dentinho, Iarley, Danilo, Paulinho e tantos outros que foram campeões depois. Foi uma experiência que ficou marcado para minha vida inteira. 

Em sua passagem pelo clube alvinegro santista, o atleta foi campeão da Copa do Brasil 2010 e do campeonato paulista de 2012, mas o título de maior destaque foi o da Libertadores da América de 2011 ao lado de jogadores como Paulo Henrique Ganso e Neymar.  

–  Foram 3 títulos muito importantes na história do Santos e para mim também, que era apenas um garoto e pude estar vivendo esse sonho e sendo campeão ao lado desses jogadores. Lembro que meu primeiro gol como profissional foi em 2012, em uma vitória contra a Portuguesa e logo depois pudemos levantar o troféu de campeão. Foi uma época muito boa na minha vida esse período que passei no Santos, as viagens e os títulos, é inesquecível. Agora estou aqui na Desportiva para reviver momentos de glória, vim para ajudar a buscar o título.

Além dos títulos pelo Santos, o zagueiro também foi campeão Paulista da Série A3, pelo RedBull, campeão do Interior pelo Oeste de Itápolis e campeão da 2ª divisão do campeonato goiano, pelo Jaraguá, em 2019. Rafael também acumula convocações para seleção sub-20, quando foi vice-campeão do Torneio de Seleções em Punta del Leste, no Uruguai, no ano de 2010.

Na Desportiva Ferroviária, o zagueiro pretende reviver momentos de glória e, para isso, já pretende enfrentar o Vitória no próximo domingo, dia 12, às 15 horas, no estádio Engenheiro Araripe, em Cariacica.

JOGO RÁPIDO

 Você estreou em clássicos contra o Corinthians substituindo o zagueiro titular Bruno Aguiar. Como foi aquele dia e aquele jogo?

Rafael Caldeira: Eu já havia feito minha estreia contra o Grêmio Prudente, fora de casa, mas logo em seguida veio um clássico que eu não imaginava um dia jogar. Eu tinha apenas 18 anos e estava no banco quando o Iarley caiu em cima do tornozelo do Bruno Aguiar e acabou quebrando o tornozelo dele (Bruno Aguiar). Entrei e fiz dupla de zaga com o Durval. Foi um jogo muito importante pra mim, transmitido no horário nobre da Globo em plena quarta-feira para o Brasil todo, jogando ao lado de Neymar, Ganso e tantos outros jogadores, contra também o Corinthians que tinha Dentinho, Iarley, Danilo, Paulinho e tantos outros que foram campeões depois. Foi uma experiência que ficou marcado para minha vida inteira.

Você conquistou 3 títulos importantes no Santos junto de Neymar e Ganso. Como foi jogar ao lado dessas feras e conquistar uma Libertadores? O que você se lembra e pode compartilhar conosco daquelas competições?

Rafael Caldeira: Foram 3 títulos muito importantes na história do Santos e para mim também, que era apenas um garoto e pude estar vivendo esse sonho e sendo campeão ao lado desses jogadores. Lembro que meu primeiro gol como profissional foi em 2012, em uma vitória contra a Portuguesa e logo depois pudemos levantar o troféu de campeão. Foi uma época muito boa na minha vida esse período que passei no Santos, as viagens e os títulos, é inesquecível. Agora estou aqui na Desportiva para reviver momentos de glória, vim para ajudar a buscar o título.

Você teve convocações para a seleção de base. Como foi e como você acredita que isso acrescentou em sua carreira por jogar em tão alto nível?

Rafael Caldeira: Foi um sonho realizado. Apesar de ter jogado na sub-20 e não na profissional, só de ter vestido a amarelinha foi um sonho, que tinha desde criança, realizado. Jogamos um torneio em Punta Del Leste, no Uruguai, e fomos vice-campeões, perdendo apenas para a seleção do México. Foi outra experiência muito boa e naquele time tinha Alex Sandro, que hoje está na Juventus, Oscar, Alan Patrick, Rafael Galhardo e outros. Sou muito feliz de ter conquistado isso e de ter jogado na seleção e em vários times como o Santos, que é o sonho de muitos garotos.Sou grato a Deus por essas oportunidades.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *