Publicidade

Clínica de dependentes químicos é fechada em Itaoca, Itapemirim e 17 internos são transferidos

Coesad, PM, OAB e MP suspendem atividades da Clínica Redenção Comunidade Terapêutica em Itaoca/Itapemirim

Há relatos de maus tratos na Clínica

Na tarde desta sexta-feira, 09, a Redenção Comunidade Terapêutica, clínica de reabilitação para dependentes químicos que funcionava na Rua Valentina Rosa de Oliveira, em Itaoca Itapemirim foi fechada pela Polícia Militar – PM, Conselho Estadual sobre Drogas, Coesad, Ministério Público e Ordem dos Advogados do Brasil.

No dia 17 de junho foi feita uma reclamação no Ministério Público – MP de maus tratos na referida clínica, em Itaoca e o MP oficializou o Conselho sobre Drogas que em 10 dias fosse realizada a visita para averiguar a denúncia.

17 internos estavam na Clínica em Itaoca

Segundo a reclamação no MP, os seguranças aplicavam golpe mata leão nos internos para que eles desmaiassem, os mesmos eram aprisionados em quartos, sem banheiros e sem comida, eram obrigados a fazer suas necessidades fisiológicas em baldes. E também, segundo a denúncia não há atendimento médico no local, que, segundo um familiar prometem o que não cumpriam.

Na clínica estavam 16 homens e uma mulher internados. Alguns foram encaminhados a outras clínicas de reabilitação e outros retornaram para suas casas.

Um dos internos relatou a outra clínica que as famílias chegavam a pagar R$3.500.00 por mês para que eles pudessem fazer o tratamento.

Convém ressaltar que o proprietário da Redenção é irmão do proprietário da Clínica Sol Nascente que funciona em Lagoa Funda, Marataízes. E, nesta clínica Sol Nascente, um dos terapeutas é namorado da missionária que administrava o Centro de Acolhimento Mãos Estendidas em Itaipava.

Não houve detenção, o Ministério Público continua a investigação através da Polícia Civil – PC que deverá instaurar inquérito para averiguar como de fato funcionava a Redenção Comunidade Terapêutica.

A Reportagem solicitou a assessoria de Imprensa da Prefeitura que informe se a Clínica possuía alvará de funcionamento.

Fica em aberto o espaço para os proprietários se manifestarem na matéria e, também a respeito da reclamação feita no Ministério Público que culminou com a suspenção dos serviços ofertados.   

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *