Publicidade

Caravela-portuguesa, altamente perigosa, surge em praia do ES

Um caravela portuguesa foi encontrada na praia de Manguinhos, na Serra, e a secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano da Serra faz um alerta a população. Caso algum banhista se depare com o organismo a orientação é para se manter a distância.

Caravela portuguesa encontrada em Manguinhos, na Serra/ES. Foto: Divulgação/Semma-PMS

O aparecimento das caravelas já esperado para este período do ano. Mas por ser colorida, e chamativa, acabam chamando a atenção principalmente das crianças. O contato, no entanto, mesma com uma morte, pode provar lesões na pele e no sistema nervoso. Esse contato com os tentáculos ou por toxina é dolorido e causa desde coceiras e vermelhidão até queimaduras graves, de terceiro grau.

A recomendação para se manter a distância, inclusive, vale para todas as situações, tanto no mar quanto na areia. Caso se depare com um grande número de caravelas, a orientação também é de se evitar entrar na água.

Caso ocorra alguma queimadura, a prefeitura recomenda a vítima a lavar a região atingida com água do mar, evitando o contato das mãos, e depois utilizar vinagre para neutralizar a ação da toxina presente nos organismos. “Se as dores não passarem, um médico deve ser consultado”, destaca em nota o município.

O que é a caravela portuguesa?

O nome científico das caravelas portuguesas é Physalia Physalis. Elas pertencem ao grupo dos cnidários e são consideradas “parentes” dos corais, anêmonas-do-mar, gorgônias, hidróides e águas-vivas. Elas vivem em mar aberto, estão espalhadas por todo o mundo e se alimentam de animais marinhos como crustáceos e até mesmo peixes.

Seu tamanho, inclusive, pode surpreender. Isso porque os tentáculos, que ficam abaixo de sua carapaça mole, podem medir mais de 20 metros e são extremamente venenosos. Nessas regiões, em específico, eles concentram grande parte das cnidas, células urticantes compostas por micro-agulhas que podem injetar toxinas.

Por esse motivo, o contato com as caravelas pode ser extremamente doloroso e a situação pode durar de 30 minutos até 24 horas. Nesses casos, a pele pode ficar vermelha e a vítima pode sentir enjoos, tonturas e até mesmo alterações respiratórias.

Táticas populares para aliviar a dor como aplicar urina ou pasta de dente nas áreas atingidas não são recomendadas. O melhor q se fazer é lavar a região com água do mar ou vinagre, fazer compressa com água fria para as dores e manter o repouso.

Fonte: site ES360

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade