Publicidade

Cachoeiro/ES firma parceria para monitoramento de represas

A Prefeitura de Cachoeiro, por meio da Coordenadoria Executiva de Defesa Civil, firmou parceria com a empresa que administra as Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) de São João, em Castelo, e Francisco Gros, em Alegre, para troca de informações a respeito da vazão do rio Itapemirim. As duas PCHs são as maiores represas da bacia do Itapemirim.

As informações coletadas pelo sistema de alerta sob domínio da empresa auxiliarão o município na emissão de possíveis comunicados de evacuação das regiões ribeirinhas, quando necessário. A Defesa Civil de Cachoeiro passará a receber essas informações em tempo real, que, somando-se a outras frentes coletoras de informações, vão oferecer melhores condições para mitigar os efeitos negativos de alagamentos nas áreas ribeirinhas do município nos períodos de cheias do Itapemirim.

De acordo com Elio Carlos Miranda, coordenador executivo da Defesa Civil de Cachoeiro de Itapemirim, a equipe do município, junto com a equipe da Coordenadoria Estadual de Proteção e Defesa Civil do Espirito Santo (REPDEC), realizou uma visita técnica às duas PCHs para conhecer o sistema de funcionamento da empresa administradora e vistoriar as condições estruturais das represas.

“A empresa possui um sistema de alerta e de medição periódica dos níveis de água das represas, e essas informações serão transmitidas a todas as Defesas Civis dos municípios por onde passa o rio Itapemirim. Teremos informações, também, a respeito de algum risco de rompimento – se houver”, explica.

O que é uma PCH ?

As Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) são usinas hidrelétricas de tamanho e potência relativamente reduzidos, conforme classificação feita pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Esses empreendimentos têm, obrigatoriamente, entre 5 e 30 megawatts (MW) de potência e devem ter menos de 13 km² de área de reservatório. Apesar do nome, que carrega o “pequenas” e seu peso pouco atrativo, as PCHs são hoje responsáveis por cerca de 3,5% de toda a capacidade instalada do sistema interligado nacional.

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade