ARTIGO: NOVA LEI AMPLIA BENEFÍCIOS E TORNA MAIS FÁCIL A NEGOCIAÇÃO DE DÉBITOS COM O FISCO FEDERAL

*por Bruno Oliveira Cardoso

Foi publicada ontem a Lei nº 14.375/2022, que amplia os descontos e prazos para pagamento dos acordos formalizados por meio de transações tributárias com a Fazenda Nacional.

Uma das modificações mais relevantes reside na possibilidade do contribuinte, por meio de proposta individual, realizar a transação de débitos não inscritos em dívida ativa, objeto de contencioso tributário. Em outras palavras, será possível ao contribuinte propor a transação de débitos que estão em discussão na esfera administrativa (com impugnações ou recursos junto às DRJ, ao CARF ou CSRF). Antes, só era permitida a transação de débitos dessa natureza, se a tese em discussão estivesse relacionada nos editais publicados pela PGFN e RFB.

A nova lei prevê, ainda, uma ampliação dos descontos sobre juros e multa, de 50% para 65%. Além disso, a nova lei aumentou o prazo máximo do parcelamento de 84 para 120 meses.

Outra novidade é a possibilidade de utilização de créditos de prejuízo fiscal e de base de cálculo negativa da CSLL, na apuração do IRPJ e da CSLL, até o limite de 70% do saldo remanescente após a incidência dos descontos. Tal benefício necessita de autorização da RFB ou PGFN.

Foi incluída, ainda, a possibilidade de utilização, no âmbito da transação, de precatórios ou direito creditório com sentença de valor transitada em julgado para amortização de dívida tributária principal, multa e juros.

Outro ponto relevante da nova lei, que traz mais segurança jurídica e aperfeiçoa o instituto da transação, é o esclarecimento pela lei, de que os descontos concedidos na transação, não serão tributados pelo IRPJ, CSLL, PIS e COFINS. A incidência dos tributos em foco, até então, constitui objeto de acirrada disputa entre Fisco e contribuintes na esfera administrativa e judicial.

A edição da nova lei, por outro lado, torna mais distante o aguardado “Refis da Covid”, haja vista que traz mecanismos eficazes para permitir a recuperação de empresas em dificuldade e, ao mesmo tempo, amplia o diálogo entre o Fisco federal e contribuintes.

*Bruno Oliveira Cardoso é advogado, sócio do escritório Oliveira Cardoso, Carvalho de Brito, Libardi Comarela e Zavarize Advogados. Professor Convidado do curso de MBA em Tributação Empresarial e também do curso de Mestrado em Planejamento Tributário, ambos da FUCAPE Business School. Membro da ABDF (Associação Brasileira de Direito Financeiro). Membro da IFA (International Fiscal Association).

Compartilhe nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade