Abril Verde | Mês de prevenção, segurança e saúde no trabalho

O mês de abril é marcado pelo Movimento Abril Verde, instituído para a conscientização sobre a segurança e saúde no trabalho. Com o tema “Trabalhar sim, adoecer não”, a Secretaria da Saúde (Sesa) chama atenção para a campanha, que tem como objetivo sensibilizar a população para que o movimento permaneça em debate por todo o ano.

Abril foi escolhido por ter duas datas relevantes, o dia 07 de abril, Dia Mundial da Saúde, instituído pela Organização Mundial da Saúde (OMS); e 28 de abril, instituído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como o Dia Mundial da Segurança e Saúde no Trabalho, em memória das vítimas de acidentes e doenças relacionadas ao trabalho. No Brasil, a Lei nº 11.121/2005 instituiu o mesmo dia como o Dia Nacional em Memória das Vítimas de Acidentes e Doenças do Trabalho.

No Espírito Santo, o Abril Verde foi iniciado em 05 de setembro de 2017, por meio da Lei nº 10.728/2017, passando a integrar o Calendário Oficial de Eventos do Estado. 

O tema deste ano resgata o lema da 3ª Conferência Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora, realizada em 2005: “Trabalhar sim, adoecer não”.

 “Estamos em um momento crítico da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), em que este lema deve ser entendido como uma bandeira de luta, porque precisamos garantir que as pessoas que precisam trabalhar encontrem ambientes seguros para desenvolver suas atividades laborais”, disse a chefe do Núcleo Especial de Saúde do Trabalhador (Nevisat), Liliane Graça Santana.

Ações do Nevisat durande a pandemia

A Sesa, por meio do Nevisat, tem realizado ações de orientação e prevenção à Covid-19, com expedição de notas técnicas, por categorias profissionais, realização de lives, vigilância epidemiológica para identificação das categorias mais atingidas, vigilância dos ambientes de trabalho e qualificação das fichas de notificação, buscando identificar a relação entre o trabalho e o adoecimento.

Em relação à infecção pela Covid-19, o Sistema de Informação em Saúde e-SUS Vigilância em Saúde (VS) registrou, até essa quarta-feira (31), 380.394 casos da doença no Estado. Sendo que, desse total 195.297, um percentual de 51,3%, dos casos ocorreram entre trabalhadores. Mas, a conclusão sobre o vínculo da Covid-19 com o trabalho ainda tem sido um grande desafio. Até o momento, a relação da doença com o ambiente de trabalho foi identificada em apenas 8,5% dos casos notificados. 

Além dos profissionais da saúde que, devido a uma maior exposição, têm um risco aumentado de infecção por Covid-19, outras categorias de trabalhadores também têm registrado um número elevado de contaminados, como trabalhadores de serviços, vendedores do comércio em lojas e mercados, trabalhadores de serviços administrativos, trabalhadores agropecuários, florestais, da pesca e trabalhadores da indústria e construção civil. 

Segundo a chefe do Nevisat, Liliane Graça Santana, durante o período de pandemia, mais de 40 empresas/instituições foram vistoriadas pelo Nevisat, algumas delas tendo sido vistoriadas mais de uma vez, em atendimento às denúncias provenientes da Ouvidoria da Sesa, do Ministério Público do Trabalho (MPT) e outras demandas internas.

“Os principais problemas identificados foram o não uso da máscara, aglomerações em postos de trabalho ou espaços coletivos, ausência de informação ou capacitação, afastamento inadequado de trabalhadores sintomáticos, ausência de fluxos e protocolos para orientação de trabalhadores sintomáticos e de retorno ao trabalho. A ação já beneficiou cerca de dez mil trabalhadores”, afirmou a chefe do Nevisat. 

Liliane Santana também destaca os esforços dos demais componentes da vigilância em saúde, seja do nível central, regional, municipal e Centros de Referência em Saúde do Trabalhador na prevenção da Covid-19 em ambientes de trabalho.

“Apesar da gravidade e dos esforços para conter a pandemia da Covid-19, não podemos deixar de ressaltar que trabalhadores continuam adoecendo e morrendo por outras causas cujos riscos não devem ser negligenciados”, pontuou.

Acidentes

No Espírito Santo, os acidentes de trabalho, típicos e de trajeto, identificados pelos serviços de saúde e registrados no e-SUS VS, revelam que, no ano de 2020, foram registrados 1.711 casos de acidentes de trabalho e 53 óbitos, entre os trabalhadores formais e informais. As principais ocupações acometidas por acidentes de trabalho foram os trabalhadores da agricultura e os pedreiros, sendo, nesse último caso, o maior número de acidentes fatais.

Live

Em memória das vítimas de acidente de trabalho, o Nevisat vai realizar, no próximo dia 15, às 14 horas, uma live com o tema “A saúde do trabalhador durante a pandemia da Covid-19: Desafios e Perspectivas”.

A live poderá ser acompanhada por meio do aplicativo Zoom, no link: Clique aqui

Compartilhe nas redes sociais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *